sexta-feira, 23 de agosto de 2019

camisa 2019/2020 Super Bolla - o "manto raiz"

Em evento realizado ontem, 22 de agosto, na Boate Pyramid's, localizada na sede social do Juventus, foi apresentada a nova linha de material esportivo assinada pela Super Bolla. Um lançamento antecipado para a próxima temporada, que já deverá ser utilizado a partir de agora.



A empresa goiana Super Bolla retornou ao Juventus para sua terceira passagem como fornecedora de material esportivo garantindo um "manto raiz" e respeito às cores tradicionais do clube. Ao que parece, a empresa fez a sua lição de casa baseada nas experiências anteriores, tais como a polêmica terceira camisa azul, lançada por ela própria em 2015, e a frase que exaltava o fato de o Juventus ser o segundo time de muitos torcedores, que apareceu na camisa de 2018, feita pela Nakal.

Portanto, nada de cor azul, nem escritos controversos dessa vez. Nem mesmo o logotipo do patrocinador São Cristóvão foi estampado em azul, sua cor original, na camisa branca. A marca aparece ali em grená.



Na prática, a nova camisa grená não tem nada além do convencional e, sendo simples e direta, agradou. Já a camisa branca possui discretos filetes cinzas na diagonal, por toda extensão do manto, dando a ele um pouco de personalidade. A mesma textura está presente nos uniformes dos goleiros, mostrados nas cores amarela e cinza.

Numa visão geral, os novos uniformes Super Bolla repetem elementos já vistos nas suas coleções passadas, sobretudo os modelos de 2015 e 2016. As principais inovações são um novo desenho de gola que, ao nosso ver, funcionou melhor na versão branca do manto do que na grená, e uma faixa por toda a extensão lateral da camisa, que prossegue no calção. Esse conceito já foi usado pela Deka em 2016, e gostamos bastante.

Aliás, se aquela camisa Deka era conhecida pelo excesso de patrocinadores, a nova não fica atrás, pois o clube foi eficiente na busca por mais anunciantes. Entre eles, alguns que retornam para exibir suas marcas mais uma vez, e outros cujas estampas são estreantes no uniforme. A saber:

São Cristóvão Saúde - patrocinador master (desde 2017)
Esfiha Juventus - mangas (2015-2017)
Osvaldo Cruz Química - ombros (2016)
Lukscolor tintas - barra, frente (2009-2010)
Colégio Vereda - barra, costas (novo)
Desodorante Above Man Sport Energy - laterais (novo)



Curiosamente, a marca do São Cristóvão foi estampada em grená na camisa branca, e não em azul como nas cores originais desse logotipo.

Com a volta da antiga fornecedora, de alguns velhos patrocinadores e um manto "raiz", o clube mostra respeito à tradição e aos seus parceiros comerciais. No entanto, há uma situação um tanto incômoda nesse momento: o Juventus possui duas lojas oficiais em sua sede e estádio, mais uma loja licenciada, todas elas bastante conhecidas e de fácil acesso. Nenhuma delas receberá as novas camisas para venda, que ficará restrita a um ponto de venda a cargo da própria fabricante. Entendemos que todos os pontos de venda deveriam ser abastecidos, o que beneficiaria não apenas o clube, que recebe os "royalties" pelas vendas, mas todos os juventinos e consumidores.

crédito das fotos: Ale Vianna / CA Juventus e divulgação Super Bolla

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

camisa Alluri 2019



Na tarde de hoje, 16 de janeiro, o Juventus divulgou, pelas redes sociais e seu site oficial, o uniforme que será usado nesta temporada, fornecido pela marca esportiva Alluri.

A apresentação foi feita na forma de uma sessão de fotos no gramado da Rua Javari, com a participação dos atletas Paulo Vitor, Diego Sacomam, Robson, Paulo Henrique e Marcelo Fernandes. Eles posaram com os uniformes do conjunto titular, composto por camisa grená, calção branco e meiões grenás, para os jogadores de linha, e roupa inteira amarela para o goleiro.

Estampam as camisas o patrocinador principal São Cristóvão Saúde (aparentemente em tamanho menor do que o da camisa da temporada passada - afinal, maior seria impossível...) e a empresa Eu Sou Torcedor, administradora do sistema de sócio-torcedor do Moleque Travesso.



A camisa grená tem um grafismo que imita uma malha mesclada. A camisa de goleiro leva uma textura em padrão geométrico.



Pelas fotos, a Alluri parece ter feito um bom trabalho. Acertou no tom de grená, mais claro do que na camisa utilizada na Copa Sâo Paulo Júnior. Além disso, o distintivo é um patch, e não apenas estampado sobre o tecido. A estrela de prata alusiva à Taça de Prata de 1983 foi mantida sobre ele. Percebe-se que na parte de trás há um detalhe abaixo da gola, como um pequeno friso vertical, mas que não pode ser visto pois infelizmente não foram divulgadas imagens das costas das camisas.

O conjunto reserva e o modelo alternativo para o goleiro não foram apresentados, apenas sabe-se que o uniforme 2 do Juventus será o branco.

O clube informou que um terceiro uniforme será lançado mais à frente, porém desde já adverte que não será usado em partidas oficiais e sim destinado a colecionadores e torcedores. Essa ressalva mostra que todos os envolvidos querem evitar polêmicas.

Alías, antes do lançamento da camisa, a própria marca Alluri, por meio de suas redes sociais, divulgou uma ilustração do que poderia ser a camisa grená, com uma estranha faixa branca na altura do peito, com detalhes em verde e vermelho, alusivos à bandeira da Itália. A imagem foi retirada pouco tempo depois, mas conseguimos recuperá-la e a reproduzimos abaixo:


Felizmente, a imagem acima foi apenas um alarme falso. Provavelmente, apenas um estudo divulgado equivocada e precipitadamente na internet.

Assim, sóbrio, sem grafismos e bandeirinhas buscando um italianismo forçado e, sobretudo, sem frases controversas bordadas, aí está um belo manto juventino.

"Ficou muito bonito. Os atletas gostaram bastante do uniforme. É um layout diferente dos outros modelos que já usamos. Além disso, caiu muito bem no corpo dos atletas. Foi uma boa escolha” - Vitor Faustino, gerente de futebol, em declaração ao site do C.A. Juventus

Mais fotos e informações no site oficial do Juventus (aqui).

As camisas ainda não chegaram às lojas, tampouco o preço foi divulgado. Elas estarão à venda na loja oficial Grená e Branco.

Crédito das fotos: Marcelo Germano / CA Juventus

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

camisa Alluri 2019 - Copa São Paulo Júnior

No último dia de 2018 o Juventus anunciou oficialmente a Alluri como a nova fornecedora de material esportivo e divulgou as fotos das camisas que serão utilizadas durante a Copa São Paulo Junior 2019.

A Alluri, confecção especializada em uniformes esportivos, escolares e profissionais, tem sede no bairro do Tatuapé e substitui a sãocarlense Nakal como fornecedora da equipe profissional do Juventus.



A camisa de jogo possui um tom de grená escuro, muito bonito. Foi divulgada inicialmente uma camisa de goleiro amarela, mas na partida contra o América de Natal o goleiro Matheus Pellegrini vestiu um uniforme em tom de cinza bem escuro. No aquecimento antes do jogo, os goleiros usaram camisas vermelhas.

Ficou faltando apenas a apresentação do uniforme 2, branco, que talvez nem mesmo vá ser utilizado, ao menos na primeira fase desta competição.




Como divulgado pela confecção e pelo clube, o uniforme do time profissional será diferente em material e desenho deste que foi utilizado na Copa São Paulo.

Crédito das fotos: Marcelo Germano / CA Juventus

Acompanhe mais notícias e informações sobre o Juventus e suas camisas em nosso facebook: facebook.com/mantojuve

domingo, 21 de janeiro de 2018

André Dias, 100 jogos pelo Juventus


André Dias Campos tem 28 anos recém completados e é goleiro. Começou sua trajetória no futebol bem pequeno, dando os primeiros passos na quadra de futsal do Juventus. Aos 8 anos de idade, passou também a jogar no campo. Quando completou 10 anos, trocou a Mooca pelo Parque São Jorge. Pelo Corinthians, André Dias subiu todos os degraus das categorias de base, até chegar ao ápice.

Em 2009, no time que tinha Boquita no ataque, André Dias foi campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Era goleiro e capitão.

Comemoração após vitória disputa de pênaltis da semifinal (Fernando Pilatos/Gazeta Press)

O capitão e a taça na mão (foto: melhoresdabase.com.br)

O Corinthians, porém, não deu a André Dias oportunidades como profissional. Foi emprestado ao Nacional e jogou a Segunda Divisão do Paulista (que é a quarta divisão, na prática, apesar do nome). Depois, foi jogar no Flamengo de Guarulhos.

Em ação pelo Flamengo de Guarulhos em 2013 (Daniel Rizzi/Agência Bom Dia)

Após 3 temporadas em Guarulhos, o vínculo de André com o Corinthians acabou, e o goleiro foi contratado pelo Juventus. Na época, o Moleque Travesso era recém-rebaixado da Série A2 e estava montando seu elenco para reestrear na terceira divisão.

Não foram poucos os torcedores que não deram seu voto de confiança ao goleiro. O Juventus tinha um bom jogador para a posição, Fernando Henrique, que havia sido titular em 2013. Mas André Dias começou a temporada de 2014 vestindo a camisa 1.

Assim, no dia 2 de fevereiro de 2014, André Dias fez sua primeira partida como titular do Juventus. Vitória juventina sobre a Matonense.

Primeiro clique de uma defesa de André pelo fotógrafo Ale Vianna, que viria a registrar quase toda a carreira do goleiro no Juventus. Juventus venceu a Matonense em 2/2/2014

Aquele time do Juventus não era bom e, na tentativa de buscar uma reação no campeonato, André perdeu a posição. Cinco jogos depois, retornou à titularidade, e nela permaneceu sem contestação até 2017.

André executa uma defesa difícil contra a Inter de Limeira, em 2/4/2014 (foto: Ale Vianna)

Na campanha de 2015, André definitivamente se consagrou. O forte time grená que conquistou o acesso à Série A2 deveu muito ao goleiro. Se o ataque era bom e resolvia, com Daniel Costa, Adiel e Gil em ótima fase, o guarda-redes dava segurança na defesa. No Campeonato Paulista A3 de 2015, os zagueiros juventinos cometeram 5 pênaltis com André protegendo a meta. Nenhuma cobrança se converteu em gol. André Dias pegou três delas, duas foram para fora. Criou-se a mística do pegador de pênaltis.

André defende pênalti na partida contra o Cotia, em 18/3/2015 (foto: Ale Vianna / CA Juventus)

A liderança do goleiro também era fundamental no vestiário. Aqui, antes de partida decisiva contra a Inter de Limeira, pelo quadrangular final da A2, 13/5/2015 (foto: Ale Vianna / CA Juventus)

Casos do acaso fizeram André perder o posto de titular, em 2017. O novo dono da posição era Deola, em sua segunda passagem pelo Juventus. Chegou com pinta de estrela, com direito a trazer no peito do uniforme a sua assinatura. O tempo, porém, se encarregou de fazer a devida justiça e André Dias retomou o posto. Não só, também a braçadeira de capitão. Com todo respeito ao Deola, o Juventus já tinha goleiro. 

Quando o árbitro da partida assinalou a penalidade máxima a favor do Rio Preto, o destino já havia sido traçado. André Dias defendeu a cobrança, porque assim estava escrito nas estrelas. Em 5/3/2017 (foto: Ale Vianna / CA Juventus)

Com dignidade, André terminou o campeonato vestindo a camisa juventina, com autógrafo do Deola e tudo, até a conclusão do Paulistão A2 de 2017. Surgiu, então, a oportunidade de disputar o Campeonato Brasileiro Série B com o Oeste de Barueri. Era a sua despedida do clube da Mooca, após 3 temporadas e meia e 98 partidas disputadas.

Mas, dessa vez, o goleiro teve o valor reconhecido não apenas pela fanática torcida juventina, mas pelos mandatários do clube. André Dias retornou em 2018, como titular absoluto, e completou sua centésima partida com o uniforme do Juventus.

21/1/2018: André Dias recebe das mãos do presidente e do vice-presidente do Juventus, respectivamente, Domingos Sanches e Saulo Franciscon, uma camisa especial com o número 100, e uma placa comemorativa (foto: divulgação CA Juventus)

André construiu uma história de respeito no clube grená, repleta de momentos emblemáticos, como defesas milagrosas em chutes no ângulo ou em cobranças de pênaltis.

Há algo mais, porém, que fez com que esse atleta conquistasse o respeito e a admiração do torcedor juventino. É o que está registrado nessa foto abaixo, de Ale Vianna, tirada no dia 1º de março de 2017.

Naquela data, o Juventus venceu de virada o Bragantino, em Bragança Paulista. O Moleque Travesso precisava desesperadamente daqueles três pontos. A imagem eterniza a festa da vitória, compartilhada entre os jogadores, liderados por André Dias, e o pequeno grupo de torcedores presentes. Não é preciso de uma multidão para que haja sentimento no futebol.

Parabéns, André Dias, pelo seu 100º jogo honrando o manto juventino!



sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Juventus estreia na A2 com derrota

O Juventus estreou na última quarta-feira (17) pelo Campeonato Paulista Série A2, com derrota fora de casa para o Votuporanguense.


Os titulares posam antes da partida (foto: Marcelo Germano/Juventus)

Os poucos torcedores que encararam mais de 500 km de estrada até o noroeste do estado, assim como os que acompanharam à distância pelo rádio, tv e internet ficaram apreensivos com o futebol demonstrado pelo Moleque Travesso nessa primeira jornada. Atuando de branco, os grenás foram envolvidos pelo CAV, que tocava a bola e dificultava a saída de jogo dos visitantes.

O time da casa abriu o placar de pênalti (André Dias quase defendeu), e ampliou ainda no segundo tempo com Elvinho, que fez fila na área mooquense.



O goleiro juventino André Dias (foto: Silvio Oshiro / Rose Guimarães)

Embora tenha sofrido na defesa, o Juventus conseguiu criar e marcou, no finzinho da partida, com Jean Carlos. Mas, na saída de bola após o primeiro gol grená, o mandante marcou seu terceiro, novamente com o ex-juventino Elvinho. A "lei do ex" é implacável... felizmente, ficou só nisso, e os ex-juventinos Nathan e Adriano Paulista, também atuando pelo CAV, não deixaram sua marca dessa vez. 




O capitão Jean Carlos marcou de cabeça o primeiro gol do Juventus na temporada (foto: Silvio Oshiro / Rose Guimarães)

O gol feito e o sofrido na sequência acordaram o Juventus, que balançou as redes de novo nos acréscimos, com Wellington Baroni, e chegou a empatar o jogo, mas a cabeçada de Weldon não foi validada. Assim, o placar final foi 3 a 2 para o Votuporanguense.



Weldon marcou um gol que não foi validado (foto: Silvio Oshiro / Rose Guimarães)

Neste domingo (21) o Juventus fará sua estreia em casa, contra o XV de Piracicaba, que foi derrotado em casa pelo Rio Claro na primeira rodada, por 3 a 1.
 

Como se vê nas fotos, houve o acréscimo de um patrocinador no uniforme: o logotipo "Eu sou Torcedor", que divulga o plano de sócio-torcedor do clube, foi aplicado na camisa, próximo à gola.

Campeonato Paulista Série A2
17/01/2018
Votuporanguense 3 x 2 Juventus
Arena Plínio Marin - Votuporanga - São Paulo - SP - Brasil

Juventus: André Dias; Léo Cunha, Herbert (Sergio Raphael), Robson Junior e Felipe Saturnino; Janderson, Wendel, Nata (Douglas Heliópolis), Rafael Borel (Weldon) e Wellington Baroni; Jean Carlos. Téc.: Edmilson de Jesus

domingo, 14 de janeiro de 2018

Kazu, uma lenda japonesa que começou no Juventus

Foi destaque na imprensa, nesta semana, a notícia de que o japonês Kazuyoshi Miura, o Kazu, o jogador de futebol mais velho do mundo em atividade, com 50 anos de idade, renovou contrato com o Yokohama FC, clube da J2 League, segunda divisão do Japão, no qual atua como atacante, vestindo a camisa 11.

Nascido em Shizuoka em 26 de fevereiro de 1967, Kazu se tornou o primeiro atleta japonês a atuar profissionalmente no futebol brasileiro, em 1986, defendendo as cores do XV de Jaú. Teve passagens marcantes pelo Santos, CRB e Coritiba, sua melhor fase, aliás.

Mas, quando King Kazu desembarcou no Brasil para realizar seu sonho de se tornar alguém com a bola nos pés, o clube escolhido foi o Juventus. Tinha 15 anos de idade e mal sabia falar português. E, como tantos outros garotos, deu os primeiros toques na bola pesada do velho futebol de salão.

Por isso, a foto a seguir é uma preciosidade. Ela registra a passagem do interminável e desbravador japonês pela Mooca. Kazu posa com a medalha de campeão paulista infanto-juvenil, após o Moleque Travesso bater o São Paulo por 3 x 1. Ao seu lado estão o diretor da modalidade no clube, Valenzuela (à esquerda) e o treinador da equipe, Oswaldo de Lemos, o "Feio" (à direita).



Em 2011, Kazu retornou ao Brasil e fez uma visita ao Juventus, quase 30 anos depois. Nessa ocasião, reencontrou o seu ex-técnico Oswaldo de Lemos, agora gerente de esportes amadores e olímpicos do clube, e juntos recordaram aquela época.

Oswaldo de Lemos mostra a Kazu a histórica foto do campeonato paulista de futebol de salão, que reproduzimos acima


King Kazu, Oswaldo de Lemos, e a camisa do clube em que deu seus primeiros passos no futebol (divulgação / CA Juventus)

Kazu passou dois anos no Juventus até transferir-se para a base do XV de Jaú. No Galo da Comarca continuou sua preparação, ao lado de outros meninos japoneses que vieram fazer intercâmbio após sua vinda ao país.

“Já cansei de falar o quanto eu amo o futebol. Desde criança era a única coisa que eu fazia. Pretendo ficar na ativa enquanto meu corpo e minha paixão permitirem. Estar em campo aos 50 anos junto com meus companheiros é uma alegria muito grande. Acho que vou tentar seguir assim até os 60” (Kazu, no seu 50º aniversário) 

O Manto Juventino, para esta matéria, contou com a colaboração inestimável de Regina Reis, guardiã do valioso arquivo da família Lemos.